A dor de ser marcado.

Quantas vezes nós fazemos a seguinte oração à Deus: “Muda-me, Senhor!”, e nas muitas vezes que isso acontece, não temos noção da proporção que essa oração causa na vida de uma pessoa, mas mesmo assim preferimos criar a ilusão de que tudo é muito fácil.

Ao longo do tempo, o pecado que cometemos e não conseguimos largar, assim como uma árvore, começa a criar raízes. Essas raízes começam a se aprofundar de acordo com o tempo, se nós não dermos um basta em toda essa podridão, consequentemente, a mesma irá se alastrar.

O pecado em nossas vidas em como um câncer no coração, como a ferrugem que corroe ao ferro, como o cupim que faz apodrecer a madeira. Quando descobrimos um câncer, se nós não nos tratarmos logo e o retirarmos, ele se alastrará e poderá levar à morte. Assim também é o pecado que se aloja em nossas vidas, porque o salário do pecado é a morte (Rm.6:23), a consequencia do pecado do pecado é a morte, nós colhemos o que plantamos  (como diz o ditado). Para que isso não aconteça, precisamos nos tratar logo, precisamos nos santificar através da Palavra de Deus, pois é na verdade que somos santificados, e a Palavra de Deus é a verdade (Jo.17:17),   precisamos prosseguir na intimidade com Deus, prosseguindo em conhecê-Lo (Oséias.6:3).

Portanto, não basta apenas querermos ser mudados, mas também buscarmos essa mudança diariamente, suportando com perseverança, pois Deus não nos dá tentações além do que podemos suportar(I Cor.10:13).

Enfim, somente quem tiver coragem de enfrentar a dor de ser marcado, pode ser mudado. Quanto mais profundas forem as raízes, mais dolorosa será a mudança, então, se as raízes do pecado em tua vida ainda forem superficiais, apressa-te em buscar a mudança antes que as raízes se aprofundem, mas se as raízes já estiverem  profundas, tenha a coragem de enfrentar a dor de ser marcado.

Pense nisto: “Mudar dói, não mudar dói mais ainda”.

Osvaldo Nascimento.

Anúncios

Mantenha a Lâmpada Acesa

   E falou o SENHOR a Moisés, dizendo:
  Ordena aos filhos de Israel que te tragam azeite de oliveira, puro, batido, para a luminária, para manter as lâmpadas acesas continuamente.
  Arão as porá em ordem perante o SENHOR continuamente, desde a tarde até à manhã, fora do véu do testemunho, na tenda da congregação; estatuto perpétuo é pelas vossas gerações.
  Sobre o candelabro de ouro puro porá em ordem as lâmpadas perante o SENHOR continuamente.

 (Levítico.24:1-4)

Com aplicação em nossas vidas, o azeite é o Espírito Santo e nós somos a lâmpada. Para que a lâmpada continue acesa, é preciso colocar o azeite. Precisamos dia após dia buscar ser cheios do Espírito Santo, para que nós continuemos a brilhar com a luz do Senhor. Quanto mais nós deixamos de orar, de meditar na Palavra de Deus e  de estarmos em comunhão, além de não sermos cheios do Espírito Santo, a nossa lâmpada começa a se apagar porque não há o “combustível” espiritual para que a nossa lâmpada esteja acesa continuamente.

Precisamos pôr em ordem as nossas vidas, fugir da aparência do mal, resistir ao diabo, assim a nossa lâmpada não se apagará. É tempo para que coloquemos em ordem a nossa lâmpada (vida) perante o Senhor todos os dias, não apenas nos dias de culto ou algo parecido, mas continuamente.

Portanto, mantenha a lâmpada acesa.

Osvaldo Nascimento.

…E o Teu rio correrá impetuosamente!

  Afasta de mim o estrépito dos teus cânticos; porque não ouvirei as melodias das tuas violas.
  Corra, porém, o juízo como as águas, e a justiça como o ribeiro impetuoso.

(Amós.5:23-24)

Existem momentos que nós precisamos parar de olhar para as coisas pelo lado humano, pela visão limitada das coisas, tem horas que Deus começa a abrir os nossos olhos para vermos e entendermos algumas coisas pela ótica espiritual. Quando Deus fala: “Afasta de mim o estrépito dos teus cânticos…”, significa que Deus está cansado de ouvir a nossa falsa “adoração”, pois muitas vezes nossos corações não são sinceros adorando e o que  fazemos fora da igreja não condiz com o que fazemos dentro da igreja, quanto cantamos, pulamos, caímos. Se nada tiver um sentido, não vale a pena fazê-lo, estaremos sendo hipócritas, falamos de adoração em espírito e em verdade, mas só queremos adorar em espírito e esquecemos de adorar em verdade. Adoração não é apenas um “momento”, e sim um estilo de vida.

Precisamos fazer com que a justiça corra como um rio impetuoso, que a Presença de Deus desça sobre nós como uma chuva torrencial e que a adoração sincera seja respondida com o Fogo do Espírito Santo. A missão de levar esse rio de justiça é nossa, é através de nós que corre o rio do Espírito Santo, e levando-o à todos, poderemos dizer ao Senhor:

“A verdadeira adoração invadirá as igrejas e o Teu rio correrá impetuosamente.”

Osvaldo Nascimento.

Itabuna atraindo a presença de Deus.

Estive em um culto público no aniversário da cidade de Itabuna-Ba, tendo como tema: Itabuna atraindo a presença de Deus. Pude ver naquele lugar o mover do Espírito Santo em cada oração, em cada canção, em cada palavra. Todos os que ali estavam poderam ver o prefeito da cidade, José Nilton Azevedo, prostrar-se diante do Rei dos reis e Senhor dos senhores, e entregou a chave da cidade para o Senhor Jesus. Houve a ceia do Senhor, promovendo assim a unidade do corpo de Cristo, logo após houve a ministração do ministério Restaura o meu altar, foi tremendo!

 Osvaldo Nascimento.

Rio no Deserto, Fogueira no Inverno!

Rio no deserto!Fogueira no inverno!Deus tem me mostrado durante esses últimos dias sobre o deserto e o inverno, ambos são cenários que demonstram a situação da Igreja do Senhor Jesus em alguns momentos. Vamos ver um pouco sobre os esses dois cenários:

 Deserto: A característica maior do deserto é a sequidão. No deserto não existe água, no deserto não existe condições para a sobrevivência de um ser humano. Trazendo para a nossa realidade, o deserto demonstra os momentos de sequidão espiritual pelos quais passamos, e no ambiente desértico, não há condições de sobrevivermos, é por isso que quando estivermos passando pelo deserto, precisamos buscar beber da Água da Vida, e nos transformarmos em um rio no deserto.

 Inverno: A característica principal do inverno é o frio. No inverno não temos ânimo para fazer as coisas, procuramos nos acomodar e nada fazer. Há invernos que podem fazer uma pessoa congelar. Trazendo para a nossa realidade, o inverno também demonstra os momentos de frieza espiritual pelas quais passamos, e no ambiente de frio o qual o inverno oferece, podemos até congelarmos espiritualmente, é por isso que quando estivermos passando por esta estação em nossas vidas, precisamos aquecer os nossos corações com o fogo do Espírito Santo, e nos transformarmos em uma fogueira no inverno.

Algumas das maneiras pelas quais nos podemos ser rio no deserto e fogueira no inverno é buscando a Deus através do louvor e adoração (entregando tudo o que temos e tudo o que somos no altar de Deus); oração (humilhando-nos na Presença de Deus, conversando com o Pai); meditação na Palavra (parando tudo para ouvirmos a voz do Pai, alimentando-nos do Pão do Céu); comunhão (compartilhando as dificuldades, abençoando sendo abençoado, ovelha não vive isolado do seu rebanho).

Que Deus vos abençoe grandemente, e que você seja: Rio no Deserto, Fogueira no Inverno! Amém.

 Osvaldo Nascimento.

…Porque Deus é fiel e a Sua mão nos sustenta!(II)

Em meio à tempestade, procuramos entender qual o propósito de cada raio, de cada balançar do barco, vemos diante de nós uma imensidão de dúvidas, dilemas que se levantam ante a tanto desespero que é estar no meio de uma tempestade, porém exatamente nessa hora em que precisamos confiar na boa mão do Senhor. Existem muitos questionamentos que rondam os nossos corações nesse momento, emoções desprovidas de um sentido profundo e claro, etc., ainda assim, todos nós precisamos continuar a louvar Àquele que nos criou, porque Deus é fiel e a Sua mão nos sustenta.

 Osvaldo Nascimento.